MÚSICA & PUBLICIDADE

 

Música e Poesia da Capitania de Wanmar/ POEMA SINFÔNICO

Mensagens de blog

SOUL JAZZ BAIÃO

Postado por Produções em 24 novembro 2019 às 21:00 1 Comentar

SOUL JAZZ BAIÃO

Somos a essência do que nos resta, o direito de ser honestos com nós mesmos e poder ser feliz dentro das condições que vivemos, de ter caráter, respeito e responsabilidade com o que nos faz feliz. Neste caso só mesmo a música para aliviar a dor da desigualdade social, onde o sentimento de amor é a ferramenta mais adequada para sobreviver nestes tempos de impunidade e falta de respeito.

O disco "SOUL JAZZ BAIÃO" em parceria com o poeta Ajalmar Maia é a diversidade, e pluralidade de interesses de um sonho para torná-lo possível, mostrando como transformar o cotidiano em poesia e música, com um formato de Jazz e baião unindo estes estilos musicais com a flexibilidade e variações de arranjos na transformação social da cultura musical.

Do BAIÃO ao JAZZBAIÃO

( Ajalmar Maia )

Um retrospecto sobre as raizes culturais que embasam a maioria dos ritmos nordestinos nos leva ao Forró - um patrimônio cultural que o nordeste brasileiro oferece ao mundo.

O Forró, o gênero, com sua diversidade de ritmos, perdura e conquista o mundo e engloba: baião, forró, côco, xaxado, galope, embolada, rojão, aboio, xote, arrasta pé, forró instrumental, e mais modernamente, o JAZZBAIÃO.

Todo forrozeiro tem essa marca no seu repertório.

No sudeste brasileiro, na

Europa, na América do Norte, na Ásia (Japão, Coréia do Sul, Rússia), isto é: no mundo inteiro, os movimentos que curtem e divulgam a música nordestina têm esse perfil da diversidade rítmica com balanço, breque, jogo de cintura... em sintonia com a dança.

Temos assistido as influências que a música nordestina tem exercido em muitos momentos nos ritmos ditos pop nacionais (nossa nova, tropicália, manguebeat, etc), funcionando como catalizador de ideias.

Num contexto histórico, como diz Biliu de Campina, desde a pré-história do forró, que derivou do Maxixe, nas primórdios do século passado, migrou para o côco, e conheceu a batida do…

Continuar
 
 
 

© 2019   Criado por Produções.   Ativado por

Relatar um incidente  |  Termos de serviço