Geraldo Vandré
  • Paraiba
  • Brasil
  • Mensagens de blog
  • Tópicos
  • Fotos
  • Álbuns de Fotos
  • Vídeos

Amigos de Geraldo Vandré

  • Produções
 

Página de Geraldo Vandré

Informações do Perfil

*
Estou compondo uma sinfonia.
POEMA SINFÔNICO
*
Capitania de Wamar
*
Nasceu na Paraíba e sempre se interessou por música, participando dos festivais do colégio onde estudava e chegando a apresentar-se no rádio, em um programa de calouros. Mudou-se para o Rio de Janeiro em 1951 com a família, onde conheceu pessoas ligadas ao meio artístico, como o compositor Valdemar Henrique, Baden Powell e Luís Eça. Na faculdade se ligou ao movimento estudantil, em especial aos CPCs (Centros Populares de Cultura) da UNE (União Nacional dos Estudantes). Conheceu Carlos Lyra, que se tornou seu parceiro em músicas como "Quem Quiser Encontrar o Amor" e "Aruanda", gravadas por Lyra. Gravou seu primeiro LP, "Geraldo Vandré", em 1964, com as músicas "Fica Mal com Deus" e "Menino das Laranjas" (com Theo de Barros), entre outras. No ano seguinte defende "Sonho de um Carnaval", de Chico Buarque, no I Festival de MPB da TV Excelsior. No ano seguinte vence a segunda edição do mesmo festival com "Porta-Estandarte", sua composição em parceria com Fernando Lona, defendido por Tuca e Airto Moreira. Depois da vitória parte em turnê pelo Nordeste com um conjunto que veio a se chamar mais tarde Quarteto Novo, e contava com Hermeto Pascoal, Theo de Barros, Heraldo do Monte e Airto Moreira. Vandré tornou-se cada vez mais famoso no ambiente dos festivais. Sua música "Disparada", interpretada por Jair Rodrigues, empata em primeiro lugar com "A Banda" de Chico Buarque no Festival da TV Record de 1966. No ano de 1968 "Caminhando (Pra Não Dizer que Não Falei de Flores)" conquista o segundo lugar no festival da TV Globo, apesar de ser favorita do público, perdendo para "Sabiá" (Chico Buarque/ Tom Jobim). Com a promulgação do AI-5 e o acirramento da ditadura, foi exilado, e morou no Chile, França, Argélia, Alemanha, Áustria, Grécia e Bulgária nos 4 anos que ficou fora do Brasil. Vandré tornou-se uma espécie de "mito" da resistência à ditadura, por ter ficado sem fazer shows no Brasil desde 1968. Apresentou-se no Paraguai em 1982 e 1985, rompendo mais de uma década de silêncio. Mais tarde compôs "Fabiana" em homenagem à FAB (Força Aérea Brasileira). Nos anos 90 foram lançadas coletâneas com obras suas.

Caixa de Recados (74 comentários)

Você precisa ser um membro de Clube do Jazz Paraíba Brasil para adicionar comentários!

Entrar em Clube do Jazz Paraíba Brasil

Às 20:17 em 19 julho 2019, Produções disse...

"As esperanças contidas
não sabem mais esperar
as cantigas mais antigas
já não lembro pra cantar
e as lembranças mais amigas
que poderiam me ajudar
foram todas consumidas
na saudade e no sonhar.
O violão vai comigo
compartindo meu viver
fiel companheiro e amigo
sabe sempre o que dizer
faz parte do meu castigo
meu destino e meu querer"

(Poema extraído do livro "Cantos Intermediários de Benvirá", lançado somente no Chile).

Às 14:22 em 19 julho 2019, Produções disse...

NO VIZINHO DO LADO
(Geraldo Vandré)

No fim do finito,
no aberto fechado,
na roda gigante,
na roda rodada,
na força do instante,
na fé do chegado,
na última hora,
na voz do soldado.
No branco dos olhos
do teu namorado,
procura menina,
teu nome bordado.
No grito contido,
no tiro guardado,
no braço de ferro,
no triste adoçado,
na mente dos homens,
no tempo marcado,
no meio e na frente,
no fundo e do lado.
No branco dos olhos,
no centro da bandeira,
na porta dourada,
na vida vivida,
cantiga cantada,
no prego batido,
na ponta virada,
nas dores do mundo,
na rosa roubada,
no sonho perdido,
na estória negada,
na ponta da pena,
na ponta fincada,
na faca pequena,
na foice amolada,
na hora do salto,
da sorte jogada,
no largo caminho,
na beiradeiradam
no grande carinho,
na desabalada,
no quarto sozinho,
na lembrança dada,
no quente do ninho,
do teu corpo amado,
no meu ser vizinho,
na volta dos idos,
dos idos amados,
dos idos partidos,
nos idos ficados.
No novo crescido,
no pouco doado,
esperança nossa,
saudade matada,
presente querido,
futuro passado,
sentido, seguido,
e verbalizado,
na esperança sou,
esperado e
esperançado.

(In: "Poética - Cantos intermediários de Benvirá", 2018[1973])

Às 14:20 em 20 setembro 2018, MARCELLO LOPES NEVES FILHO disse...

    Geraldo:

    _____ Como vai?

   Show melhor impossível.

   Estou mando-lhe o mais breve possível a minha dissertação: As poéticas de Chico Buarque e Gilliard: uma leitura comparativa intertextual  encadernada e autografada.

    Também vai a apresentação. Eu defendi em Lisboa na Universidade Aberta de Portugal e o diploma está sendo revalidado no Brasil na Universidade Federal do Rio Grande do Norte, uma vem que Gilliard nasceu na capital potiguar.

     Um abraço e que Deus lhe abençoe!

      Continuo sendo seu fã número um.

      Marcello Lopes Neves Filho

Às 1:17 em 12 abril 2018, Produções disse...
Às 23:20 em 11 abril 2018, MARCELLO LOPES NEVES FILHO disse...

       Geraldo como vai?

       Seguem dois poemas m

Persistência

 

Para alguém na vida ser

É necessário em nós acreditar

Mesmo que um medíocre qualquer

Esteja da nossa capacidade a duvidar

Pra nos derrubar

Quem desiste no caminho

Jamais constrói um ninho

 

Com Oscar Wilde aprendi

E à ideia amadureci

Quem tem a humildade

As flores e os frutos tendem a crescer

Enquanto que a arrogância

O tempo faz apodrecer

 

 

Já dizia a canção

Do fundo do poeta do coração

A força do amor

De tudo é capaz alcançar

Não existe nenhuma impossibilidade

Para que qualquer vontade

Se transforme em realidade

 

Quando temos alguma dificuldade

De certas coisas de entendimento

Existe por perto um esperto

Querendo nos ridicularizar

Pra vantagem ele levar

Nessa hora é preciso ter persistência

Jamais nos deixar abalar

Com quem sabe menos do que nós

E só come o pó

 

         Verbo

 

Está escrito na bíblia

No evangelho de São João

No princípio era o verbo

Segundo a gramática

Uma palavra indicando ação

Na sua classificação

Existe o de ligação

Bobo apesar de parecer

Muito nunca fui

Quem não é

Pode um dia virar

Em um mesmo lugar

Só fica um museu

Jamais eu

  Um abraço e que Deus lhe abençoe!

   Marcello Lopes Neves Filho

       

   

Às 22:49 em 28 março 2018, Produções disse...

Às 22:46 em 28 março 2018, Produções disse...

Às 22:35 em 28 março 2018, Produções disse...

Às 22:32 em 28 março 2018, Produções disse...

Às 22:31 em 28 março 2018, Produções disse...

 
 
 

© 2020   Criado por Produções.   Ativado por

Relatar um incidente  |  Termos de serviço